oficinas de escrita

Na educação popular, aprendi a facilitar processos de aprendizagem em roda, a partir da realidade vivenciada pelas pessoas do grupo.

Quando professora na educação de jovens e adultos, pude testemunhar muitas pessoas aprenderem a escrever, ou perderem o medo da escrita, a partir de relatos autobiográficos.

Anos mais tarde, como professora na graduação e na pós-graduação em jornalismo, tive certeza de que escrever sobre a própria vida permite aprimorar o estilo narrativo.

Desde 2016 tenho sintetizado essas experiências em oficinas e laboratórios de escrita autobiográfica.

Além da possibilidade de destravar a mão e desenvolver um estilo narrativo próprio, narrar memórias individuais e familiares nos permite documentar memórias coletivas e resignificar experiências vividas ou herdadas de nossa ancestralidade.

Nas oficinas e laboratórios, proponho exercícios de escrita, reflexões teóricas acessíveis e dicas práticas, a partir de quatro eixos:

  1: Escrita de si e autobiografia;

2: Ponto de vista, ponto de partida e descrição densa;

3: Memória individual e coletiva;

4: Tempo e espaço do vivido e do narrado.